Cronologia

1472 - 1475 Data provável da chegada do Contador Martim Vaz de Bulhão, dando início ao povoamento da Relva, e mandando edificar a Igreja de Nossa Senhora das Neves.

Antes de 1514? Terá sido criada a paróquia de Nossa Senhora das Neves e a Confraria do Santíssimo Sacramento, pertencendo esta última à Ordem de Cristo, à qual estiraram espiritualmente sujeitas as ilhas dos Açores até à criação da diocese do Funchal a 12 de Junho do referido ano de 1514.

1526 Já a paróquia estava criada, tendo como vigário Álvaro Annes, com a congrua de 7$ooo rs.

1526 Ano provável da morte do Contador Martim Vaz de Bulhão, que terá sido sepultado na capela-mor da igreja de Nossa Senhora das Neves.
1552 D. Frei Jorge de Santiago 3º bispo de Angra confere a faculdade desta paróquia celebrar as festas da Semana Santa.

1568 A congrua do vigário foi aumentada de 12$000 rs. para 20$000 rs. anuais.

1568 A 19 de Setembro de 1568, João Gonçalves da Rocha, de alcunha o Cerne, escudeiro da Casa Real casado com Guiomar Roiz de Sousa, fez o seu testamento que viria a ser aberto a 19 de Junho de 1572, no qual mandou fazer o altar de S. Cristóvão, cujo o retábulo se encontra actualmente no respectivo altar.

1569 Já existiam as Confrarias de Nossa Senhora das Neves, do Senhor Bom Jesus e das Almas, desconhecendo-se se foram criadas na mesma data da do Santíssimo Sacramento, legado deixado por Jorge Afonso.

1590 1620 Obras de restauro na capela-mor e sacristia a cargo da Fazenda Real.

1601 Registo da existência da Confraria de Santo Antão, não se sabendo quando foi criada, conforme o testamento de Miguel Gonçalves.
1603 É aumentado de quatro para cinco mil reis a comparticipação anual da Fazenda Real à Fábrica Maior ou Grossa, valor que em 1631 era de oito mil reis.

1607 Nomeação do Dr. João Lopes Cardoso, para ouvidor do eclesiástico da ilha de S. Miguel, continuando a ser vigário da Relva.

1649 Pedido a el-rei D. João IV, de 140$000, para reedificar a igreja, que foi recusado.

1668 Maria de Sousa Faria, no seu testamento doa a sua casa para passal da paróquia.

1685 A paróquia toma posse do passal, após a morte do marido da doadora.

1711 a 1731 Reedificação do Passal, a expensas do Vigário licenciado Leandro de Sousa Vasconcelos.

1714 Já existia a Confraria de Nossa Senhora do Rosário, segundo o testamento de Manuel de Benevides.

1716 1735 Construção da bela talha da capela-mor, em barroco nacional, paga pela Fazenda Real durante a reconstrução da igreja.

1732 A 18 de Agosto, provisão régia de el-rei D. João V, para se finalizar as obras de reedificação da igreja a serem pagas pela Fazenda Real através da Alfândega de Ponta Delgada, quando já se havia construído metade das mesmas.

1737 Testamento de António do Rego Baldaia, feito em Minas Novas no Brasil, no qual manda dar 20$000 rs. a cada Confraria e mais 50$000 rs. para a as obras de reedificação da Matriz de Nossa Senhora das Neves que decorriam.
nsr-v2a-web001009.gif

História

n_next.gif
Pág. Seguinte: Cronologia (Cont.)
Nossa Senhora das Neves
Paróquia da Relva - Ponta Delgada, Açores